Brasília, 22 de novembro de 2017
25
fev

0

Comentários

A Lei do Efeito Reverso

25 de fevereiro, 2015 | Autor: Carlos Hilsdorf | Tópicos: Conhecimento
Tags: , ,

Além das dificuldades técnicas e conceituais que existem por trás de todo e qualquer desafio humano, que por si, já são complicadoras naturais, encontramos ainda as de caráter psicológico.

São centenas de dificuldades psicológicas distintas que demonstram uma constelação de sintomas e comportamentos dos mais específicos. Nesta breve reflexão de hoje, vamos olhar brevemente para uma delas: a ”lei do efeito reverso”.

Lei do efeito reverso (não confundir com a ”Lei de Murphy”) é o nome do fenômeno psicológico que ocorre quando ao nos dedicarmos intensamente a um objetivo, obtemos o resultado exatamente contrário. Ex.: Quando queremos nos lembrar do nome de um filme e quanto mais nos esforçamos para lembrar, menos conseguimos. Quando mesmo cansados temos pressa em dormir e não conseguimos, enfim, quando não queremos ou não podemos errar e erramos por consequência e de uma maneira normalmente infantil, erramos no mais básico, no que de mais fácil possuía a atividade. Muitos problemas, inclusive de ordem sexual (ejaculação precoce, disfunções eréteis, etc) têm suas causas relacionadas a este princípio.

No mundo corporativo a utilização indiscriminada da pressão sob pessoas e resultados potencializa os efeitos da Lei do Efeito Reverso e conduz as pessoas a um índice maior de erros. Pode parecer que não, se olharmos apenas para as metas cumpridas ou superadas departamento a departamento. Mas se, ao invés de olharmos apenas para o final do processo, atentarmos para o seu desenvolvimento, perceberemos o desespero e o sofrimento das pessoas trabalhando para corrigir os erros oriundos do excesso de pressão, para que eles não apareçam nos resultados finais. Ocorrem verdadeiras operações para apagar erros visíveis, outras para dar uma maquiada em conceitos e tabelas até que elas possam ser, de novo, verificadas e ajustadas.

O preço disto tudo? Retrabalho, estresse, fadiga, desmotivação.

Não podemos eliminar a pressão do mundo corporativo. Ela é inerente ao processo, à própria vida, mas podemos conscientizar líderes e liderados sobre a maneira consciente de agir dentro de um princípio de gestão da pressão e familiarizá-los com os mecanismos psicológicos da Lei do Efeito Reverso para que possam lidar melhor com a necessidade de acertar sempre.

A pressão, assim como o bom estresse, possui aspectos positivos em nossas vidas que podem e devem ser aproveitados a nosso favor e dos negócios. Mas nada de bom se consegue na ausência de método, disciplina e bom senso - três coisas que precisam de constante incremento no mundo corporativo.

Aprender a lidar com o mecanismo de tensão e relaxamento mental, cativando a colaboração da mente para os resultados pretendidos ao invés de travar batalhas com ela (onde ela sempre vence) é um desafio dos mais proveitosos e interessantes para todo e qualquer profissional deste mundo que demanda por ousadia, assertividade, alta performance e excelência. Ou você tem sua psicologia como aliada, ou ela será eternamente sua mais poderosa inimiga.

Na vida, a única derrota séria é a que envolve nossas batalhas interiores!

Siga-nos no Twitter e Facebook

x



Compartilhe: Blogblogs Technorati Delicious Facebook

Comentários